Meu perfil
BRASIL, Sudeste, ARAXA, CENTRO, Homem, de 20 a 25 anos, Cambodian, Afar, Livros



Arquivos
 03/06/2007 a 09/06/2007
 20/05/2007 a 26/05/2007
 22/04/2007 a 28/04/2007
 15/04/2007 a 21/04/2007
 25/03/2007 a 31/03/2007
 11/03/2007 a 17/03/2007
 25/02/2007 a 03/03/2007
 11/02/2007 a 17/02/2007
 21/01/2007 a 27/01/2007
 07/01/2007 a 13/01/2007
 24/12/2006 a 30/12/2006
 10/12/2006 a 16/12/2006
 26/11/2006 a 02/12/2006
 05/11/2006 a 11/11/2006
 29/10/2006 a 04/11/2006
 08/10/2006 a 14/10/2006
 01/10/2006 a 07/10/2006
 24/09/2006 a 30/09/2006
 17/09/2006 a 23/09/2006
 03/09/2006 a 09/09/2006
 13/08/2006 a 19/08/2006
 06/08/2006 a 12/08/2006
 30/07/2006 a 05/08/2006
 23/07/2006 a 29/07/2006
 09/07/2006 a 15/07/2006
 02/07/2006 a 08/07/2006
 25/06/2006 a 01/07/2006
 18/06/2006 a 24/06/2006
 11/06/2006 a 17/06/2006
 04/06/2006 a 10/06/2006
 28/05/2006 a 03/06/2006
 21/05/2006 a 27/05/2006
 14/05/2006 a 20/05/2006
 07/05/2006 a 13/05/2006
 30/04/2006 a 06/05/2006
 23/04/2006 a 29/04/2006
 16/04/2006 a 22/04/2006
 09/04/2006 a 15/04/2006
 02/04/2006 a 08/04/2006
 26/03/2006 a 01/04/2006
 19/03/2006 a 25/03/2006
 12/03/2006 a 18/03/2006

Votação
 Dê uma nota para meu blog

Outros links
 UOL - O melhor conteúdo
 Meu Antigo Blog
 BOL - E-mail grátis
 Cão Danado 2
 Caossada pisada por Ricardo Wagner
 Zumbi Escutando Blues
 O Cárcere das Asas
 Balaio de Letras
 Loba
 karen Debertolis
 Carlos Besen
 Célia Musilli
 Ana Peluso
 Flávio Offer
 Wickerpark
 Antimercadoria
 verdeamarelo
 Albergue Noturno
 Reconstruindo ideias
 Na ponta do lápis
 Eliane Potiguara
 Inquietações
 Casa de Paragens
 Retorno ao quarto poder
 Trocando em miúdos
 Metamorfose Pensante
 Anarkistas no kaos 2
 Sonnen
 Eu, eu mesmo, e Alex
 as-vezes-ceu-azul-as-vezes-tempestade
 Pontos Cegos
 Noturnando
 O Canto da Calunguinha
 Janelas Abertas
 Blog Projeto Identidade
 Kity Amaral
 Quimeras
 Escritos de Larissa Marques
 Mentiras Perfeitas
 Prepúcio
 Girapemba
 Angel Cesar
 Flores, Pragas e Sementes
 Intensidade
 Peixe de aquário - Ana R.
 Civilizados
 Extremus
 Poesiarte
 Caraminholas - Marcos Pardim
 Experimentando - Carlos
 Gavetas e Janelas - Vássia Silveira
 Balada inabalável - Bia Pontes
 Amar Palavras
 Metamorfose de Monstros
 Viver em novo tempo - Ceci
 Lâmina Da Água - Cristina Oliveira
 Falaras - Salamar
 PVANN - Paola Vannucci
 Colecionador de pedras
 Mudanças e Adaptações - Clarice
 Guia de Poesia - blogs
 Nem Choro nem Vela para Mim
 Lua Mágica - Tânia Rúbia
 Nimbipolis - Nilson
 Outros Poemas - Wilson Guanais
 Palimpnoia - Loba
 Papel de Rascunho - Virna Teixeira
 Fina Flor - Mônica Montone
 O último apague a lu - Maria Clara Mazini
 Sebo
 Palavras à flor da pele - Fabiana Borges
 Lilian Rose Black
 Duas Partes - Elaine Lemos
 Escúchameporra - Jefferson de Souza
 Lowcura - Rodrigo de Souza Leão
 Doida de Marluquices - Marla de Queiroz
 Tristan e Isolda - Trsy
 Biografia Fictícia - Vandré Abreu
 Rascunho em preto e branco - Ayron de Melo
 Tirinhas Super Nilce - Ayron de Melo
 Michel Melamed




Stalingrado 2
 


DUAS MULHERES

Camaradas, hoje deixo aqui o link do Multiply da minha querida amiga Nana Magalhães, http://joananict.multiply.com/journal/item/1 onde há um poema meu;
deixo também esse texto da Jana, que está entre as minhas escritoras preferidas
.


AMANHÃ
Escrito por Janaína Calaça

Queria ser rosto em comercial de shampoo, os cabelos esvoaçantes pelos ventiladores do estúdio. Queria ser um corpo conhecido, curvas discutidas na hora do recreio pelos meninos virgens da escola. Queria ser o rosto lembrado entre o vai-vém dos dedos dos meninos à noite, depois do sanduíche de queijo e da coca-cola. Queria mais que os acessos ao seu fotolog, queria ser mais que uma webcelebridade. Queria seu rosto nos comerciais, nas novelas, nos seriados de tv. Queria ser.

Entre o celular com capa de pelúcia, o gloss, dinheiro e absorventes, a menina carregava sua câmera slim com cartão de memória suficiente para mais de 300 fotos, que, somadas às 300 fotos de cada uma de suas amigas, gerava sempre um total de umas 1500 fotos por noite nas baladas. Fotografias com poses ensaiadas, carinha sexy, carinha séria, carinha de lado, carinha de baixo para cima, calcinha à mostra descuidadosamente no subir das escadas. As noites eram uma mistura de flashs, caipiroskas, língua-língua com os meninos, língua-língua com as meninas, uns amassos no canto escuro das boates, retoques de batom nos banheiros cheios, e mais fotos, mais jogo de espelhos.

Deixou recado na geladeira, ao lado da lista de compras da semana. A cor da unha combinando com a cor do sapato. A mãe só chegaria depois das dez, depois do plantão completo. O pai vivia em outro estado, com outra família, mobília e outros gatos. Pegou a bolsa e saiu. A noite seguiu seu script rotineiro, com o gelo do copo dissolvendo entre a língua da menina e o vidro, entre o olhar do menino malhadinho e de sua cerveja long neck. Logo-logo estariam tocando sexo-sexo com os dedos por cima das roupas. O gosto do morango e da vodka misturava-se ao gosto da cerveja. As amigas serpenteavam na pista de dança, atraindo Najas outros malhadinhos e suas long necks. Ele chamou: “Vamos?”. Ela disse: “Vamos”. Na segunda-feira, entre gritinhos, ela contaria como ele era bom de cama ou um fracasso e contaria também se as dicas da revista 10 maneiras de dar prazer ao parceiro funcionavam ou não. Pediu licença, falou com as amigas, uma disse que não fosse, outra disse ”vai logo”, outra estava bêbada demais para dizer alguma coisa. Fez mais umas poses com as amigas para mostrar à mãe mais tarde e acompanhou o menino malhadinho com sua inseparável long neck. Abriu o carro, que pegou emprestado do pai orgulhoso do filho baladeiro. Chave, marcha e o som ligado.

A menina tocando o pau do menino por cima da calça. Zíper lá embaixo. Viu essas cenas em tantos filmes. Ele dizendo “uow, gatinha” e deixando o pé pesar no acelerador do carro. A menina brincava com os dedos e com o vermelho entre o jeans. Os pés pesados no acelerador. Ela tira a mão. Faz pose como se fosse tirar mais uma foto para o fotolog. Ele vira o rosto para a menina. Outros meninos e outras meninas também saem de pontos distintos da cidade. Todos com os carros emprestados dos pais, long necks e brincadeirinhas aprendidas nos filmes, entre paus e dedos. Ele só ouve o pneu cantar alto na estrada, um freio retardatário, um farol apagado, três pancadas fortes e o silêncio. Quem dormia, acorda. Quem não dormia, apenas acende as luzes de casa e as pessoas vão chegando sonolentas. Outras discam números no telefone. E enquanto as sirenes não chegam, os meninos e as meninas continuam quietos nos carros. Amanhã a mãe plantonista vai escolher uma fotografia brilhante da filha que queria ser rosto conhecido. Amanhã ela vai discar o número do ex-marido, que mora longe entre outra família e outros gatos. As amigas postam as últimas fotos nos seus fotologs, criam comunidade “saudades de …” no Orkut e em horário nobre sua fotografia sorridente é colocada sucessivas vezes no ar, enquanto alguém refaz as contas e transforma a menina e os outros em estatísticas e relatórios. E nada interrompe os ciclos.


Escrito por l. rafael nolli às 13h03
[] [envie esta mensagem
]



 
  [ Ver arquivos anteriores ]