Meu perfil
BRASIL, Sudeste, ARAXA, CENTRO, Homem, de 20 a 25 anos, Cambodian, Afar, Livros



Arquivos
 03/06/2007 a 09/06/2007
 20/05/2007 a 26/05/2007
 22/04/2007 a 28/04/2007
 15/04/2007 a 21/04/2007
 25/03/2007 a 31/03/2007
 11/03/2007 a 17/03/2007
 25/02/2007 a 03/03/2007
 11/02/2007 a 17/02/2007
 21/01/2007 a 27/01/2007
 07/01/2007 a 13/01/2007
 24/12/2006 a 30/12/2006
 10/12/2006 a 16/12/2006
 26/11/2006 a 02/12/2006
 05/11/2006 a 11/11/2006
 29/10/2006 a 04/11/2006
 08/10/2006 a 14/10/2006
 01/10/2006 a 07/10/2006
 24/09/2006 a 30/09/2006
 17/09/2006 a 23/09/2006
 03/09/2006 a 09/09/2006
 13/08/2006 a 19/08/2006
 06/08/2006 a 12/08/2006
 30/07/2006 a 05/08/2006
 23/07/2006 a 29/07/2006
 09/07/2006 a 15/07/2006
 02/07/2006 a 08/07/2006
 25/06/2006 a 01/07/2006
 18/06/2006 a 24/06/2006
 11/06/2006 a 17/06/2006
 04/06/2006 a 10/06/2006
 28/05/2006 a 03/06/2006
 21/05/2006 a 27/05/2006
 14/05/2006 a 20/05/2006
 07/05/2006 a 13/05/2006
 30/04/2006 a 06/05/2006
 23/04/2006 a 29/04/2006
 16/04/2006 a 22/04/2006
 09/04/2006 a 15/04/2006
 02/04/2006 a 08/04/2006
 26/03/2006 a 01/04/2006
 19/03/2006 a 25/03/2006
 12/03/2006 a 18/03/2006

Votação
 Dê uma nota para meu blog

Outros links
 UOL - O melhor conteúdo
 Meu Antigo Blog
 BOL - E-mail grátis
 Cão Danado 2
 Caossada pisada por Ricardo Wagner
 Zumbi Escutando Blues
 O Cárcere das Asas
 Balaio de Letras
 Loba
 karen Debertolis
 Carlos Besen
 Célia Musilli
 Ana Peluso
 Flávio Offer
 Wickerpark
 Antimercadoria
 verdeamarelo
 Albergue Noturno
 Reconstruindo ideias
 Na ponta do lápis
 Eliane Potiguara
 Inquietações
 Casa de Paragens
 Retorno ao quarto poder
 Trocando em miúdos
 Metamorfose Pensante
 Anarkistas no kaos 2
 Sonnen
 Eu, eu mesmo, e Alex
 as-vezes-ceu-azul-as-vezes-tempestade
 Pontos Cegos
 Noturnando
 O Canto da Calunguinha
 Janelas Abertas
 Blog Projeto Identidade
 Kity Amaral
 Quimeras
 Escritos de Larissa Marques
 Mentiras Perfeitas
 Prepúcio
 Girapemba
 Angel Cesar
 Flores, Pragas e Sementes
 Intensidade
 Peixe de aquário - Ana R.
 Civilizados
 Extremus
 Poesiarte
 Caraminholas - Marcos Pardim
 Experimentando - Carlos
 Gavetas e Janelas - Vássia Silveira
 Balada inabalável - Bia Pontes
 Amar Palavras
 Metamorfose de Monstros
 Viver em novo tempo - Ceci
 Lâmina Da Água - Cristina Oliveira
 Falaras - Salamar
 PVANN - Paola Vannucci
 Colecionador de pedras
 Mudanças e Adaptações - Clarice
 Guia de Poesia - blogs
 Nem Choro nem Vela para Mim
 Lua Mágica - Tânia Rúbia
 Nimbipolis - Nilson
 Outros Poemas - Wilson Guanais
 Palimpnoia - Loba
 Papel de Rascunho - Virna Teixeira
 Fina Flor - Mônica Montone
 O último apague a lu - Maria Clara Mazini
 Sebo
 Palavras à flor da pele - Fabiana Borges
 Lilian Rose Black
 Duas Partes - Elaine Lemos
 Escúchameporra - Jefferson de Souza
 Lowcura - Rodrigo de Souza Leão
 Doida de Marluquices - Marla de Queiroz
 Tristan e Isolda - Trsy
 Biografia Fictícia - Vandré Abreu
 Rascunho em preto e branco - Ayron de Melo
 Tirinhas Super Nilce - Ayron de Melo
 Michel Melamed




Stalingrado 2
 


ODE AO MORTO

1

Parece que dessa vez foste mesmo de encontro ao fim. Ao menos ainda não ressurgistes tal qual Lázaro, para simplesmente contradizer as notícias de sua morte. Logo nessa vez, a única morte sua não anunciada; logo nessa vez, a primeira morte sua não ridicularizada; logo nessa vez: não chegaram bocas risonhas ou piadas risonhas propagando a tua partida. Como quando, em coma por dias, desenganado, de repente você se pôs a viver de novo; como quando uma veia simplesmente resolveu arrebentar, e, sem chance alguma de sucesso, a morte num cochilo sombrio permitiu que drenassem seu córrego vermelho, dicassem esse brejo escarlate, para que seu curso – correndo de artérias a coronárias –, obrigasse o coração a bater e o cérebro burro a responder aos impulsos elétricos. Entre piadas risonhas e bocas risonhas: “Ele não morreu, acreditam? Estava desenganado”... E agora que fazem meses que disseram terem visto o seu velório (um velório vazio, desprovido de amigos que o chorasse), você simplesmente não reaparece. Não sei também se trarias notícias agradáveis, ou impressões salutares da quase-morte, mal sei se tocarias no assunto. Não que nunca tenhamos sido amigos suficientes para certas confissões, não que nunca tenhamos trocado uns segredos (na realidade, nunca trocamos segredos ou confissões). Tua boca solta, falastrona, haveria de se silenciar sobre suas aventuras em cima de um lençol hospitalar, entubado com horríveis caninhos de plástico, completamente cagado e fedendo a urina, efetuando a viagem derradeira; haveria de se silenciar: essa aventura fôra, certamente, traumática e incompreensível para uma pequena mente como a tua. Talvez, não por medo de dizê-las, mas sim por simples esquecimento. Não por medo de dizê-las, mas sim por não dar importância a isso... Não dar importância: você mesmo por quantas vezes não bateu em minha porta, e, antes de enxotá-lo para que me permitisse um descanso, não anunciara o inferno lindo e maravilhoso e sua estadia eterna por lá mais que sabida – e bem quista. Não dar importância: você mesmo, por quantas vezes, e eu negando ouvi-lo, anunciou saber o enxofre um cheiro bom e por mais que o evangelho insistisse, ainda aceitar apenas Satã como pai.

2

O fato não é dizer “parece que dessa vez...”, pois só não parece, mas está realmente morto aquele que, por ter taras infindas, sonhos eróticos infinitos e idolatria por sovacos cabeludos & vaginas enstruadas, decidiu como certo (foi um imbecil que o obrigou a crer nisso!) que a poesia era uma estupidez sem fim. Estupidez não dizias com a própria boca – essa palavra era um pouco complexa para seu linguajar.

3

Mais uma ironia: eu, L. Rafael Nolli, que muito lhe desmereci, posso agora, unicamente, escrever-lhe um verso. Uma homenagem que certamente nunca iria lhe agradar em vida. Uma ironia horrenda, eu que não sei o cemitério no qual enclausuraram seu corpo grande e gordo; eu que não sei o número de sua sepultura ou a data de sua morte, sento hoje, no dia dezessete de outubro do ano de 2003, as onze horas da manhã, e lhe dedico esse verso, talvez pelo simples fato de que nada de melhor me ocorreu fazer enquanto o almoço não fique pronto.

4

Amigo K. A. B., último humano nesse mundo que poderia ser matéria-prima de poesia, aceite aí no inferno esse verso sincero (como é estranho dizer isso agora que você realmente está morto, e seu corpo os vermes já devoraram). Um verso sincero: sei que além de todos os fardos que carregaste nesse mundo essa terra que lhe encerra, dificilmente, lhe será leve, e sei que da morte apenas incompreensão podemos esperar!

5

(Porém, talvez você não tenha morrido nada, e a qualquer hora dessas, com a voz enjoada, venha bater na minha porta e me desagradar com suas absurdas e doentias piadas – que se confundem de tal forma consigo mesmo que eu não saberia dizer se riria ou se simplesmente temeria esse que insiste em não morrer.)



Escrito por l. rafael nolli às 00h00
[] [envie esta mensagem
]



 
  [ Ver arquivos anteriores ]